Neste artigo falaremos sobre um dos principais conceitos do Cobit 5, o uso do balanced scorecard (BSC) como facilitador de um processo de medição para verificar se as necessidades das partes interessadas estão sendo atendidas.

Para verificar se as necessidades das partes interessadas (stakeholders) estão sendo atendidas, deve ser estabelecido um processo de medição sólido. Os métodos de desempenho atuais, como o Retorno sobre o Investimento (ROI), capturam os benefícios dos projetos e sistemas de TI, mas refletem somente uma parte limitada (tangível) do valor que pode ser entregue pela TI.

Para facilitar um processo mais abrangente de medição, o desenvolvimento do COBIT 5 incorporou conceitos do balanced scorecard. Em um dos apêndices do COBIT 5 as metas empresariais e metas de TI associadas estão agrupadas sob as perspectivas do balanced scorecard. O COBIT 5 também fornece exemplos de métricas para medir cada uma destas metas e construir um scorecard para as atividades relacionadas à TI.

Além disso, o COBIT 5 fornece medições de resultado no nível dos 37 processos detalhados do framework. Logicamente, estas metas e métricas de processos não podem ser simplesmente comunicadas às partes interessadas, pois estes seriam sobrecarregados de informação. Preferencialmente, as metas e métricas de processos devem ser consolidadas e agregadas de uma forma que facilite o balanced scorecard utilizável e compreensível para todo o ambiente de TI. Desta maneira, o balanced scorecard permite que a organização determine se as necessidades das partes interessadas estão sendo atendidas.

No próximo artigo o assunto será o segundo princípio do COBIT5: Cobrir a organização de ponta a ponta.