fbpx
Implantação de Scrum: 10 erros que você não pode cometer

Implantação de Scrum: 10 erros que você não pode cometer

Quando a maioria das pessoas pensa “ágil”, pensa logo em Scrum. Este é o mais utilizado e, sem dúvida, o mais abusado quadro ágil. Scrum é simples no conceito, mas a maioria das pessoas o utiliza da maneira errada. Realizar Scrum do jeito certo pode ser realmente difícil.

Por esse motivo, neste artigo vamos apresentar 10 erros comuns na implantação de Scrum e como você deve fazer para evitá-los. Vamos lá!

1. Esperar que a implementação seja fácil

Muitas vezes, alguém pode pegar um livro sobre ágil ou Scrum, começar a cortar os requisitos em histórias de usuários, realizar diariamente reuniões em pé, desenvolver softwares em sprints de 2 a 3 semanas e, em seguida, chamar-se de ágil.

Esse profissional provavelmente vai ver alguma melhora em sua capacidade de responder à mudança e pode até fornecer um software mais rápido — por um tempo. Não vai demorar muito, porém, para que as promessas de ágil se tornem menos evidentes.

Transformação ágil leva tempo e quase sempre começa com bagunça. A transformação real expõe os problemas corporativos e culturais existentes que devem ser tratados — como falta de comunicação, falta de responsabilidade, desconfiança, etc. A transformação ágil eficaz é frequentemente uma mudança total da cultura. Dê-lhe tempo e esteja pronto para passar pela dor e resistência às mudanças culturais.

2. Fazer as práticas sem os princípios

Fazer as coisas fáceis, como implementar reuniões Scrum, preencher os papéis Scrum e usar artefatos Scrum adequados é bom, mas é apenas metade (ou menos) da batalha.

Os princípios ágeis são o que faz com que as práticas funcionem bem e se tornem sustentáveis ​​a longo prazo. Princípios são muito mais difíceis de incorporar do que as práticas, razão pela qual muitas empresas ficam aquém — não fazem a parte difícil. Usar técnicas sem entender por que você está fazendo isso pode levar à frustração. Ágil é sobre pessoas, interações e cultura, não processos, práticas e ferramentas.

3. Complicar o Scrum com ferramentas

Faça tudo o que puder para manter as startups ágeis simples. Projetos ágeis podem ser bem-sucedidos sem a mais recente e mais legal colaboração ou ferramenta de ciclo de vida. Stickies em uma parede, tarefas em uma planilha e um gráfico de queima manualmente gerado vai fazer o trabalho.

Gastar tempo valioso para obter uma ferramenta em funcionamento em vez de levar as pessoas a trabalhar em conjunto leva o foco para o lugar errado. O Manifesto Ágil atribui maior valor aos indivíduos e às interações do que aos processos e às ferramentas.

4. Liderar uma equipe Scrum como um gerente de projeto

Uma mentalidade de “comando e controle” é contrária à estrutura ágil. Um líder atribuindo tarefas e ditando esforço vai contra os padrões ágeis.

Grandes equipes ágeis são auto-organizadas, o Scrum Master é um líder-servo, e as equipes aprendem a se tornar melhores trabalhando juntas e oferecendo maior valor de forma mais eficiente por meio de inspeção e adaptação regulares.

5. Não ter um backlog finalizado

Um backlog de produto que não está “pronto” é uma das razões mais comuns para a falha de sprint e para equipes desmotivadas. É também uma causa-raiz para velocidade de entrega baixa e não entrega de alto valor.

Preparar o backlog bem à frente dos próximos sprints é uma obrigação. Você nunca quer que a equipe fique sem trabalho, e priorizar o tempo ajuda a entregar valor para o Proprietário do Produto.

6. Tornar o Scrum Master responsável pela comunicação

Algo que se vê regularmente em novas equipes Scrum é que as pessoas usam o Scrum Master para entregar suas mensagens para outras pessoas. Por exemplo, um desenvolvedor tem uma pergunta sobre uma história de usuário. Em vez de ir diretamente para o Proprietário do Produto, ele envia um e-mail para o Scrum Master para obter as informações.

Um princípio ágil que é chave é a comunicação cara a cara sempre que possível. O tempo necessário para compor o e-mail provavelmente teria sido tudo o que era necessário para obter a resposta diretamente do stakeholder.

7. Não envolver o Proprietário do Produto

A função do Proprietário do Produto pode ser muito demorada. Muitos que são novos para o papel não estão prontos para o compromisso ou simplesmente não sabem que eles precisam estar tão envolvidos.

A colaboração é crítica no mundo ágil. Empresários e desenvolvedores precisam trabalhar juntos para produzir o software que a empresa quer. Isso acontece por meio de comunicação constante, colaboração e curtos ciclos de feedback para validar ou fazer correções de curso.

8. Não respeitar as reuniões diárias

A reunião diária stand-up é muito importante por vários aspectos. Ela coloca as pessoas cara a cara todos os dias por 15 minutos, força a comunicação e a colaboração e fornece visibilidade e transparência para otimizar o projeto.

Para uma reunião tão importante, é essencial definir as expectativas corretas para que a equipe leve a sério. Isso pode soar militante, mas o comparecimento ao stand-up diário nunca é opcional. Comece na hora e termine no tempo. Atenha-se às três perguntas (“O que eu fiz para o projeto ontem?”, “No que vou trabalhar hoje?” e “Quais obstáculos estão me bloqueando de concluir o meu trabalho a tempo?”).

Não permita conversas laterais, discussões ou resolução de problemas durante o stand-up. Tudo isso pode ser feito depois que a reunião estiver concluída. Isso faz com que todos respeitem o time e o tempo das pessoas. Além disso, ensina a todos como ser sucintos e objetivos.

9. Não levantar obstáculos cedo o suficiente

O stand-up diário oferece todos os dias a oportunidade para comunicar obstáculos no trabalho realizado. Uma das principais funções do Scrum Master é remover os obstáculos para que a equipe possa se concentrar na entrega de software.

Mas, se os obstáculos não são levantados, o Scrum Master não pode ajudar a removê-los. Esperar para apresentar uma dificuldade até que seja tarde demais para superá-la é inaceitável. Até que os membros da equipe estejam acostumados a comunicar os obstáculos de forma oportuna, lembre a equipe no início de cada stand-up para trazer até mesmo potenciais problemas ou se há alguma chance de algo atrasar o seu trabalho.

10. Não realizar reuniões retrospectivas após cada Sprint

Um dos doze princípios por trás do Manifesto Ágil é: “Em intervalos regulares, a equipe reflete sobre como tornar-se mais eficaz, em seguida, sintoniza e ajusta o seu comportamento em conformidade”. Infelizmente, a Retrospectiva Sprint é muitas vezes tratada como um adicional ou um luxo e realizada apenas “se houver tempo”.

O fato é que ágil é tudo sobre ajustes aqui e ali, afinar e responder às mudanças. É realmente difícil ajustar e afinar se não for feita uma pausa para descobrir onde os ajustes são necessários. O status quo não é ágil, melhoria contínua é.

Gostou do artigo? Então, assine a nossa newsletter no menu à sua direita e receba mais conteúdos como este no seu e-mail!

ContatoPowered by Rock Convert

Deixe um comentário