Infraestrutura de TI: tendências, boas práticas e mais

Hoje, deve ser muito difícil imaginar uma vida sem tecnologia, não é mesmo? Utilizamos soluções o tempo todo, seja para ouvir música, seja para marcar uma consulta com um médico, seja para realizar compras, entre outras atividades básicas. Com as empresas, não é diferente.

Uma companhia que espera se manter competitiva no mercado e em pleno crescimento, com a maximização da eficiência de suas operações, precisa estar atenta a todas as tendências para construir uma boa infraestrutura de TI.

Neste post, nós criamos um guia completo acerca da estrutura de tecnologia, do que esperar do futuro, boas práticas, principais erros e mais. Continue conosco e confira!

12 tendências para a infraestrutura de TI

Bom, para iniciar a nossa jornada pelo mundo fantástico da infraestrutura de TI, vamos iniciar o post listando 12 das maiores tendências no mercado, hoje, para um futuro próximo.

1. Aplicação em nuvem

A computação em nuvem já é uma solução conhecida da maioria dos analistas de Tecnologia da Informação, no entanto, muitas empresas ainda não utilizam todo o seu potencial como deveriam.

Um dos principais pontos a ser levado em consideração na hora de optar por levar sua infraestrutura para a nuvem é a economia que essa ação pode trazer para o negócio.

Ao investir em cloud, elimina-se a necessidade de manter servidores ativos constantemente na empresa, minimizando gastos com pessoal especializado, manutenção, energia, peças de reposição, entre outros.

2. Segurança da informação

Conforme a tecnologia avança e evolui, a ação dos cibercriminosos também aumenta. Isso porque o uso de mais sistemas e hardwares possibilita um maior volume de brechas que podem ser utilizadas para um ataque.

Qualquer pequena janela de indisponibilidade de serviços pode prejudicar exponencialmente uma empresa, por meio da interrupção de atividades-chave para o negócio.

Por isso, são realizados, cada vez mais, investimentos em segurança da informação, por meio da contratação de mão de obra especializada, consultorias e tecnologias atualizadas para evitar que cibercriminosos possam invadir e roubar ou destruir dados.

3. Omnichannel

A qualidade já não é mais um diferencial para que uma empresa possa se destacar no mercado e atrair um maior número de clientes. O que os consumidores buscam, hoje, é uma experiência positiva de compra.

A mescla entre todos os canais de vendas, on-line e off-line, é chamada de omnichannel e é considerada o futuro do atendimento personalizado, visando à satisfação do cliente.

Contudo, para implementar uma política que possa fundir o atendimento ao consumidor por meio de todos os canais de venda da empresa, é necessário preparar a infraestrutura de TI, retirando todas as barreiras que possam existir.

4. Planejamento geográfico

Uma das maiores vantagens que a tecnologia trouxe para as empresas é a possibilidade de ampliar suas atividades ao redor do globo com um menor esforço. É possível que um pequeno negócio no Brasil atenda clientes no mundo todo sem que tenha de manter um grande número de colaboradores locais.

No entanto, é necessário ter consciência de que cada país tem um conjunto de legislações específico, e a atuação nesses lugares deve ser pautada por suas leis, observando as disposições sobre a proteção aos dados, a carga de trabalho, entre outras.

Devido a esse fato, muitas empresas estão investindo em planejamento geográfico, não para manter uma infraestrutura global, mas para criar e suportar uma rede estrutural mantida por meio de parcerias.

5. Intelligence Edge

A geração de dados é cada vez maior, e lidar com todas as informações colhidas em tempo real é uma dificuldade crescente. A maioria das empresas não tem poder computacional para trabalhar uma massa crítica de dados gerada constantemente.

Surge, então, a necessidade de que essas informações já sejam processadas onde são geradas. O conceito de Intelligence Edge é dar o poder computacional de tratar e processar dados aos próprios dispositivos que os geram, como smartphones, IoT, sensores, dentre outros.

Esse tipo de processo minimiza a carga sobre a infraestrutura de TI, que tem de lidar com um número menor de informações e sofre menos com a sobrecarga de dados e processamentos.

6. Replicação de aplicações críticas

Como dito, os ataques de cibercriminosos têm aumentado ao redor do globo, seja para roubar e sequestrar dados, seja simplesmente para causar danos e prejudicar as atividades das empresas.

Visando a minimizar qualquer imprevisto ou eventos que não se pode controlar, como desastres naturais, que possam interferir ou interromper suas atividades, as empresas estão investindo em replicação de aplicações críticas.

Essa prática consiste em replicar sistemas críticos para a empresa em mais de um servidor ou, até mesmo, na nuvem, para garantir que, mesmo que haja qualquer evento que prejudique o seu processo, outro estará pronto para manter a atividade.

7. Intent-base Networking

Boa parte das empresas, hoje, é dependente da Internet para operar, seja para realizar atendimentos aos seus clientes, seja para fazer vendas, mantendo seus negócios totalmente baseados na Web.

Com isso, a disponibilidade de acesso à rede não é uma opção, mas uma obrigação, já que qualquer instabilidade pode prejudicar as suas operações. Cada vez mais, empresas estão buscando sistemas Intent-base Networking para suas soluções Web.

Essa solução consegue prever o que é necessário para o bom funcionamento da rede antes mesmo de sua implantação, de acordo com as necessidades do negócio.

8. Integração

Com o uso constante da tecnologia e a evolução da TI nas empresas, grande parte dos negócios apostou na implantação de diversas soluções para todas as áreas internas.

Isso se faz necessário uma vez que não existe uma ferramenta que possa ser utilizada como um todo por todos os colaboradores em suas atividades diárias, contudo, com o tempo, a falta de troca de informações entre esses sistemas pode ser um problema.

A busca por integração vem para facilitar a utilização de dados e minimizar as possíveis duplicidades e o retrabalho que o uso de vários softwares pode trazer. É necessário integrar todas as ferramentas para que a informação flua livre pela empresa e possa auxiliar os gestores na tomada de decisão.

9. Big Data

A geração de dados dentro das empresas aumenta cada vez mais. Todos os dias, são toneladas de informações geradas. Cada interação entre a empresa e clientes, fornecedores, ou qualquer outra entidade, gera dados que podem ser utilizados posteriormente para fins estratégicos.

Os desafios, no entanto, são a armazenagem e o processamento de um número cada vez maior de informações, bem como a verificação de quais são as expectativas ao manter todos esses dados. A resposta para esse desafio é o Big Data.

Por meio desse banco de dados especial, é possível manter armazenado um grande volume de dados e realizar análises críticas, buscando extrair um conhecimento estratégico para as tomadas de decisão da empresa.

10. Experiência digital

Outra tendência importante para a infraestrutura de TI não está ligada diretamente à estrutura em si, mas ao seu design. É a experiência digital. Aquilo que o usuário que faz uso de todos os sistemas e equipamentos vivencia.

A satisfação dos clientes e colaboradores com o setor de TI pode ser seriamente afetada de acordo com o não cumprimento de uma série de expectativas, como tempo de resposta, disponibilidade, melhora constante, dentre outras.

É preciso buscar maximizar a experiência digital dos clientes e colaboradores que utilizam a infraestrutura de TI constantemente, buscando entender quais são as suas expectativas e cumpri-las.

11. DCaaS estratégico

Com a evolução do setor de tecnologia da informação, muitos gestores estão vendo o setor de TI como um facilitador e garantidor de resultados e soluções rápidas e não mais como principal responsável pela infraestrutura.

Com isso, o DCaaS, Data Center como Serviço, vem se tornando uma opção cada vez mais viável para as empresas que optam por alugar uma determinada infraestrutura e manter um time interno apenas para assegurar o seu funcionamento.

Dessa forma, o setor de TI realiza uma gestão dos recursos contratados, mantendo o controle sobre as demandas, buscando novas soluções conforme a necessidade e descartando aquilo que já não é mais utilizado.

12. Nuvens híbridas

Uma estratégia em nuvem pode trazer uma grande economia de recursos e ser uma ótima opção para as pequenas e médias empresas, contudo, nem todos os negócios podem confiar totalmente na nuvem para os seus serviços.

Algumas empresas contam com sistemas críticos, que necessitam de um determinado potencial computacional, ou que lidam com dados confidenciais sob tutela do negócio.

Por isso, alguns gestores optam pela criação de nuvens híbridas. A principal diferença é que essa é uma estratégia em que se utiliza determinadas soluções em uma nuvem pública, enquanto os sistemas críticos são mantidos em um ambiente cloud privado.

Boas práticas para a gestão de infraestrutura de TI

Gerenciar uma infraestrutura de TI é um grande desafio. Existem diversos obstáculos que podem se levantar para dificultar a prestação de um serviço adequado e, por isso, é importante estar atento às boas práticas. Vamos listar algumas das principais.

Planejamento de gestão

A TI é um setor à parte dentro da empresa. Assim, ao cessar suas atividades, todas as outras áreas seriam prejudicadas no mesmo instante. Por essa razão, devemos planejar cada passo de sua gestão.

Para realizar um gerenciamento eficiente, é preciso, primeiro, conhecer todas as soluções e ferramentas atualmente utilizadas pela empresa para realizar as suas operações, além dos pontos fracos e fortes de sua infraestrutura.

É preciso alinhar a gestão de Tecnologia da Informação aos objetivos estratégicos da empresa para que o setor possa cumprir com todas as expectativas do negócio.

Atualização constante

A tecnologia avança constantemente e, todos os dias, surgem novas soluções e ferramentas que podem ser utilizadas para melhorar a eficiência geral da empresa e obter resultados mais expressivos.

É preciso buscar pelas melhores opções dentre as novas tecnologias, visando a encontrar quais são as soluções que têm potencial para agregar valor aos serviços disponibilizados pelo setor de TI.

A atualização constante também garante que a empresa estará protegida contra ataques orquestrados por cibercriminosos, já que boa parte desses crimes é cometida com a utilização de brechas encontradas pela falta de atualização de hardware e software.

Parceiros especialistas

Qualquer pequena infraestrutura de TI pode ser composta por uma série de tecnologias de alta complexidade, o que dificulta a composição de um time de colaboradores que possa lidar com todos os desafios impostos pela estrutura.

Uma saída utilizada pela maioria das empresas e considerada uma das boas práticas em TI é a busca por parcerias que sejam capazes de lidar com obstáculos específicos, como empresas especializadas em segurança, redes, armazenamento, dentre outras atividades-chave da TI.

Isso garante um serviço especializado, prestado por profissionais com grande know-how em cada assunto, sem a necessidade de contratar diversos colaboradores e manter uma grande equipe.

Disponibilidade

Não basta manter uma infraestrutura composta pelas melhores tecnologias do mercado. O importante, dentro do setor de TI, é a palavra disponibilidade. Para que todos os processos internos de uma empresa sejam realizados em tempo hábil, é necessário que os serviços de tecnologia estejam disponíveis a todo o tempo.

Interrupções podem gerar uma série de prejuízos, nem sempre apenas financeiros, mas também com relação à imagem da empresa perante seus colaboradores e clientes.

É preciso atuar de forma a manter os serviços disponíveis independentemente do que ocorrer. Isso pode ser feito com a utilização de links redundantes, diminuição de riscos, correção de falhas, entre outras ações.

Documentação

Quase todas as empresas têm, em seu quadro de funcionários, um colaborador-chave que participou da implantação da infraestrutura de TI. Assim, recorrem a ele quando alguma coisa não está funcionando corretamente.

Esse é um erro grave. Manter todo o conhecimento acerca da estrutura em apenas uma pessoa pode ter consequências catastróficas. O colaborador pode simplesmente ir para outra empresa ou aposentar-se, e ninguém mais terá condições de gerir a infraestrutura de TI.

É preciso documentar todas as soluções e ferramentas utilizadas na empresa para exercer suas atividades, com as ligações e dependências, evitando, assim, que o conhecimento se perca por qualquer razão.

Monitoramento

Mesmo com uma política de atualização constante, os riscos e falhas podem existir e, para evitar que tais artifícios sejam utilizados por pessoas mal intencionadas ou, até mesmo, para melhorar os resultados, é necessário monitorar.

O monitoramento é uma atividade-chave para a melhoria constante da infraestrutura de TI e auxilia o gestor a identificar quais são os pontos que carecem de correção e oportunidades de negócio.

Existem, no mercado, diversos softwares que auxiliam o setor de TI a criar e a manter uma rotina de monitoramento eficiente, evitando qualquer ameaça e identificando todas as oportunidades.

Por que ter uma gestão de infraestrutura de TI?

A tecnologia é o coração de muitas empresas, e é uma verdade que, hoje, sem ela, boa parte dos negócios não poderia mais operar da maneira que opera.

Formada por diversos itens, manter uma infraestrutura sem o mínimo de gestão poderia incorrer em um total descontrole e na perda de recursos. Vamos listar as principais razões pelas quais seu negócio deve investir em uma gestão especializada. Acompanhe!

Total controle dos recursos

A complexidade da infraestrutura de TI é uma variável que cresce conforme o negócio se desenvolve. De acordo com o crescimento das operações, são necessárias, cada vez mais, soluções, tanto de hardware como de software, que impossibilitem a manutenção sem gestão.

A tentativa de manter um ambiente altamente complexo e povoado com os mais diversos ecossistemas de ferramentas sem um gerenciamento adequado está fadada ao fracasso.

O total controle dos recursos entregue pela gestão de TI é capaz de garantir a disponibilidade dos serviços do setor, além de evitar vulnerabilidades e gargalos que possam vir a surgir com o tempo.

Antecipação a falhas e erros

Mesmo que você mantenha um controle total acerca dos recursos, as falhas na infraestrutura de TI podem ocorrer, e essa é uma situação normal para todas as empresas.

No entanto, um bom gerenciamento é capaz de fornecer dados que possibilitem a antecipação a falhas e erros, o que permite que a equipe de TI lide com tais problemas com muito mais rapidez.

Esse tempo de resposta diminuto evita que essas ocorrências possam prejudicar as operações da empresa, melhorando seus resultados e mantendo a disponibilidade dos serviços.

Aumento da vida útil de equipamentos

O ambiente de tecnologia da informação é composto por um grande número de equipamentos. Realizar a gestão de cada um desses aparelhos garante que as manutenções e correções sejam realizadas corretamente.

Como consequência de um melhor trato com os equipamentos, temos um aumento de sua vida útil e, assim, um melhor aproveitamento dos investimentos realizados com Tecnologia da Informação.

Já uma má gestão, ou a falta dela, pode deixar toda uma infraestrutura obsoleta ou desatualizada rapidamente, sendo altamente prejudicial aos resultados esperados pela empresa.

Melhoria no ROI

Os investimentos em TI são de suma importância para os seus resultados, no entanto, injetar recursos financeiros sem um objetivo bem planejado é um erro e pode levar ao gasto desnecessário.

Ao implantar uma gestão de TI eficiente, a empresa pode observar quais são as suas reais demandas e qual a melhor opção de solução para atender a sua necessidade.

Com isso, os retornos sobre os investimentos realizados em TI são muito maiores, uma vez que as soluções obtidas estão de acordo com a demanda apresentada pela empresa.

Desempenho da equipe de TI melhorado

A tecnologia é importante para o negócio, contudo, uma equipe de TI bem treinada e motivada é a principal responsável pelo aproveitamento total de todos os recursos tecnológicos da empresa.

O desempenho de seus colaboradores pode ser multiplicado com uma gestão eficiente, que escolha as melhores ferramentas e entregue soluções eficazes para o desenvolvimento do trabalho no setor.

Esses investimentos em automação e obtenção de sistemas inteligentes liberam os profissionais, que dispõem de mais tempo para atividades analíticas, aumentando o seu desempenho geral.

Redução de custos

Uma das principais vantagens ao adotar uma gestão eficiente de TI é a redução de custos. O setor de tecnologia é uma das áreas que mais consomem recursos financeiros. Por isso, alternativas que reduzam esses gastos são sempre bem-vindas.

A minimização de custos vem, principalmente, da otimização dos sistemas e soluções, do aumento da vida útil de equipamentos, de melhores investimentos, de ganhos de produtividade, entre outros benefícios obtidos com o gerenciamento.

Ao avaliar, monitorar e planejar o uso dos recursos tecnológicos, é possível minimizar, ao máximo, o desperdício, maximizando os resultados obtidos com a infraestrutura, reduzindo custos.

Erros a serem evitados

Para manter uma boa gestão de TI, não basta apenas seguir as boas práticas. É necessário também evitar uma série de erros que podem prejudicar seu planejamento e controle. Vamos citar alguns deles.

Criação de indicadores mal planejados

Os indicadores são de grande importância na hora de controlar os resultados de sua infraestrutura de TI. É por meio das métricas estabelecidas que você pode verificar o andamento de todos os processos e serviços.

Contudo, é preciso cuidado na hora de planejar e estabelecer seus indicadores-chave. Boa parte dos gestores fica tentado a utilizar apenas os melhores números, acabando por cometer equívocos com relação à real performance de sua estrutura.

Atuação mais técnica que estratégica

Muitas equipes focam na parte técnica, esquecendo de planejar e pôr em prática uma estratégia consistente que possa auxiliar e preparar a estrutura para o futuro da empresa.

A parte técnica é importante para manter o funcionamento da infraestrutura de TI, no entanto, fundir as estratégias do setor com as expectativas da empresa permite a antecipação às demandas e a manutenção da sincronia e da harmonia interna.

Foco demais em performance e não na equipe

Para que se possa alcançar os resultados esperados, é preciso investir no time de TI, não focando totalmente em performance, mas também em qualidade, incentivando a atualização constante dos profissionais do setor.

Sem uma equipe de competência e plenos conhecimentos, o investimento nas mais altas tecnologias pode se tornar nulo e não trazer nenhum retorno para a empresa.

Não demonstração do valor da tecnologia

Como dito, o setor de TI consome muitos recursos financeiros e esse fato é comum em boa parte das empresas, contudo, alguns gestores podem não aprovar tais gastos por desconhecerem o real valor da tecnologia.

Todo e qualquer investimento deve ser acompanhado por um estudo que demostre a importância de destinar recursos para tal ação, demonstrando o valor agregado que será alcançado com uma determinada implantação.

Por muito tempo, o setor de tecnologia e a infraestrutura de TI foram vistos apenas como um simples apoio às demais áreas da empresa. Hoje, essa visão mudou e os recursos tecnológicos são essenciais para a estratégia e a obtenção dos objetivos das organizações. Esperamos que, ao finalizar a leitura deste post, você possa ter chegado a essa conclusão também.

Quer saber como transformar o seu setor de TI por meio de inovações e uma gestão eficiente? Entre em contato conosco agora e veja o que podemos fazer por sua empresa! Vamos lá!

2018-02-22T13:21:53+00:000 Comments