fbpx
Infraestrutura Ágil: qual sua relação com o DevOps?

Infraestrutura Ágil: qual sua relação com o DevOps?

8 passos devopsPowered by Rock Convert

Você quer otimizar os processos e agilizar as entregas no setor de TI. Já ouviu falar em DevOps, mas está com dificuldades na hora de implementar essa nova cultura na empresa. Como superar esses desafios? A resposta pode estar na Infraestrutura Ágil.

Trata-se de uma nova prática que surgiu alinhada ao DevOps e pode ser capaz de trazer a modernização que você precisa para a área de TI. Com ela, você pode modificar, a partir da sua equipe, os processos e as formas de atuação dos colegas, melhorando os resultados e a integração do time.

Quer saber mais sobre a Infraestrutura Ágil e sua relação com DevOps? Então, continue a leitura e descubra tudo sobre o assunto!

Afinal, o que é Infraestrutura Ágil?

Em primeiro lugar, é preciso que você entenda o que é a Infraestrutura Ágil. Ela é um modelo de boas práticas baseadas na cultura ágil, com a finalidade de tornar a equipe de TI mais eficiente. Ou seja, é uma forma de operação mais eficiente para esse setor dentro da empresa.

Portanto, o foco da Infraestrutura Ágil é, como o próprio nome já diz, realizar uma transformação na infraestrutura da área, trazendo automação para esse processo. Nela, você transforma a sua infraestrutura em código, automatizando tarefas e tomadas de decisão para otimizar todo o processo.

O foco desse processo de transformação é entender como as pessoas dentro de um time se relacionam entre si, como administram a infraestrutura para, a partir desse diagnóstico, criar algo mais eficiente e autônomo, utilizando a automação como caminho para os resultados. Ela traz agilidade para os processos, o que potencializa o trabalho dos membros do time, tornando-o mais produtivo e eficiente.

Como surgiu a Infraestrutura Ágil?

Para entender um pouco da história da Infraestrutura Ágil, é importante voltar alguns anos no tempo e retomar dois conceitos: o movimento ágil e o DevOps.

O movimento ágil surgiu a partir de um manifesto criado em 2001. Alguns profissionais que atuavam na área perceberam que existiam metodologias que facilitavam e otimizavam o trabalho, gerando resultados consistentes para as empresas. A partir da própria prática desses profissionais, foi escrito o manifesto ágil, no qual eles descreveram essas práticas e os seus impactos para as organizações.

Esse documento pregava uma revolução nas organizações, valorizando pessoas e interações no lugar de processos e ferramentas; softwares em funcionamento em vez de grandes documentações; colaboração no lugar negociações frias com os clientes; e adaptação ao contexto e às mudanças em vez de apenas seguir o planejado.

Isso não significa jogar fora os processos, as ferramentas, as documentações ou o planejamento, mas enxergar essas coisas de outra forma, não como prioridades, e sim como acessórios. Afinal, em um mundo dinâmico e com alta competitividade, não faz mais sentido se prender a burocracias e processos como regra, quando o mundo exige adaptação constante a novas demandas e realidades.

O DevOps também surge daí, como uma revolução na cultura das organizações. Ele tem como foco o time de TI e é mais uma cultura do que uma metodologia. Afinal, ele propõe que as equipes trabalhem de forma colaboradora, em total integração, cenário bastante diferente daqueles times totalmente independentes, no qual um quase não sabe sobre o trabalho do outro.

Mas e a Infraestrutura Ágil, como surge? Ela vem junto com o DevOps, sendo uma premissa para que essa nova cultura seja implementada na empresa. Para ter uma cultura DevOps é essencial contar com a Infraestrutura Ágil como base, como solo fértil para o desenvolvimento dessa transformação.

Tudo isso ganhou o mercado mundial e, inclusive, o brasileiro. Apesar de ainda não serem a realidade em todas as empresas, as metodologias ágeis, o DevOps e a Infraestrutura Ágil ganham cada vez mais adeptos devido aos resultados que são capazes de gerar para a empresa, abrindo portas para o desenvolvimento ágil.

Qual a relação entre Infraestrutura Ágil e DevOps?

Essa é uma das principais dúvidas quando se fala em Infraestrutura Ágil. Afinal, esses dois conceitos estão tão relacionados, de forma que, para alguns, são tratados como sinônimo. No entanto, há diferenças importantes entre eles, que devem ser entendidas na hora de colocar tudo isso em prática.

O primeiro ponto que você precisa entender é que o DevOps e a Infraestrutura Ágil contam com os mesmos princípios, porém, os focos são bastante diferentes.

O DevOps é uma cultura, o que significa que ele propõe uma transformação em toda a empresa. A organização como um todo precisa passar por um processo de mudança. Entretanto, isso gera resistências e pode ser que a empresa não esteja preparada para essa mudança tão grande e pode não ser possível implementar uma mudança cultural completa inicialmente.

Aí entra a Infraestrutura Ágil. Ela é parte do DevOps, é uma das suas bases, mas pode funcionar de forma independente a essa cultura. Isso porque o foco aqui não é a empresa, mas sim um determinado time. Ela trata da mudança dentro de uma equipe específica, sendo uma porta de entrada para o DevOps em empresas muito rígidas, nas quais não é tão fácil transformar todo o cenário.

Portanto, é um primeiro passo. Você pode, com a Infraestrutura Ágil, transformar apenas o seu time. Ele vai mudar e se tornar mais maduro, indicando o caminho para a implementação do DevOps na organização como um todo, replicando esse modelo para as outras equipes.

Quais as vantagens de implementar uma Infraestrutura Ágil?

Implementar uma Infraestrutura Ágil pode trazer uma série de vantagens, tanto para a sua equipe quanto para a empresa como um todo. Descubra agora quais são elas!

Menor número de erros

Uma das propostas da Infraestrutura Ágil é a realização de testes constantemente. Afinal, ela se baseia em dados e os testes são uma importante fonte de informações sobre possíveis erros e problemas do sistema, sendo essenciais para implementá-la.

Dessa forma, um dos benefícios que ela traz para a empresa é a redução no número de erros. Os testes permitem que os desenvolvedores percebam uma série de problemas antes que a solução seja efetivamente implementada ou que ela chegue ao cliente. A consequência é o aumento da qualidade dos resultados gerados.

Menos retrabalho

É comum, na rotina de uma equipe de TI, que uma solução seja enviada ao cliente e volte após algum tempo, o que exige que o time invista mais tempo e energia na reformulação do sistema. Ou seja, isso é sinônimo de retrabalho, que atrasa o fluxo de atividades programadas e ainda causa insatisfação e desmotivação no time.

Com a Infraestrutura Ágil, você é capaz de reduzir essa quantidade de retrabalho. Isso se dá por dois motivos, principalmente. Em primeiro lugar, a automação proposta permite que as ferramentas resolvam uma grande quantidade desses retrabalhos sem a necessidade de intervenção do time. Em segundo lugar, a redução no número de erros também reduz a quantidade de retrabalho.

Aumento da produtividade

O seu time precisa ser produtivo para garantir os resultados da organização como um todo. Para isso, é preciso que os membros da equipe sejam liberados de tarefas operacionais para focar no que é realmente estratégico.

Ao implementar a Infraestrutura Ágil, você automatiza o que é mais operacional e, inclusive, algumas decisões que são comuns na rotina de atividades. Dessa forma, os colaboradores conseguem se liberar para investir tempo em outras atividades, o que os torna mais produtivos.

Autonomia para a equipe

Muitas empresas, mesmo as pequenas, são bastante engessadas, com muita burocracia envolvida nas atividades. A proposta da Infraestrutura Ágil é exatamente a quebra dessa burocracia.

Com ela, não é necessário que cada decisão do time passe por uma série de hierarquias. A equipe tem autonomia para tomar as decisões, uma vez que é entendido que o profissional sabe do que precisa, o que é melhor para determinado trabalho.

Portanto, outra vantagem dessa metodologia é o aumento da autonomia do time como um todo. Os gestores focam em resultados e não em processos, deixando o profissional livre para identificar as melhores soluções estratégias para realizar o trabalho.

Ganhos financeiros para a empresa

Quando você reduz os erros, aumenta a produtividade do time e melhora o controle sobre as operações, é possível trazer ganhos financeiros para a empresa como um todo. Afinal, você melhora a qualidade dos produtos gerados pela equipe de TI, o que gera lucro para a empresa.

Além disso, a redução dos erros e o aumento da produtividade permitem que o time faça mais com menos, ou seja, há uma redução dos custos operacionais.

Quais os pilares da Infraestrutura Ágil?

Antes de entender como implementar a Infraestrutura Ágil na sua empresa, é importante ter consciência sobre os seus pilares. Afinal, esse conhecimento já mostra os focos dessas boas práticas, dando indícios de quais são os elementos que devem ser modificados para que ela seja implementada.

São quatro pilares: automação, entregas, métricas e pessoas. Entenda agora cada um deles!

Automação

O primeiro pilar da Infraestrutura Ágil é a automação. Isso porque é essencial automatizar processos para garantir a implementação dessas boas práticas.

É preciso automatizar a gestão das configurações, por exemplo. Isso significa que você deve contar com uma ferramenta para gerenciar os estados dos códigos, as modificações e os erros. A ferramenta também deve ser capaz de automatizar a identificação de erros e corrigi-los, quando possível.

Guia Rápido DevOpsPowered by Rock Convert

Outro elemento que deve ser automatizado é a orquestração, ou seja, deve ser possível programar um workflow na ferramenta para que ela responda sem a necessidade de intervenção humana. O provisionamento também precisa ser automatizado, eliminando gargalos que atrasem o trabalho do time.

Entrega

No que se refere à entrega, alguns elementos fazem parte da Infraestrutura Ágil. Em primeiro lugar, toda entrega deve ser feita após testes. Não pode haver entrega sem testes, se o time quiser implementar a Infraestrutura Ágil, pois trata-se de um pilar da metodologia.

Além disso, todas as entregas precisam do máximo de transparência. A ideia aqui é que o código seja aberto, sem controle de acesso, de forma que todos os membros do time possam consultá-lo e, até mesmo, colaborar com ele.

Métricas

Um pilar importantíssimo para a Infraestrutura Ágil são as métricas. Isso porque, em muitos setores de TI, as pessoas tomam decisões com base no “achismo”, no feeling. Isso pode até dar certo em alguns momentos, porém, a longo prazo, não funciona.

Nesse sentido, coletar métricas é essencial. É preciso ter dados para embasar as decisões, desde as mais básicas, como quanto tempo a equipe precisa para desenvolver determinada solução ou a quantidade de espaço necessário, até as decisões mais complexas.

Isso contribui, inclusive, com a automação. Afinal, com métricas, é possível prever os principais erros e problemas e, com isso, programar a ferramenta para resolvê-los de acordo com as soluções que são mais eficazes. Isso só pode ser feito com o acesso às métricas.

Pessoas

Por fim, o quarto pilar da Infraestrutura Ágil são as pessoas, os membros do time. Não é possível mudar nada sem o engajamento dos profissionais que fazem parte da equipe e, dessa forma, não adianta criar processos e ferramentas sem que os colaboradores estejam dispostos a entrar com você nessa jornada.

Eles precisam estar dispostos a adaptar a rotina de trabalho, sair da zona de conforto, estudar e melhorar os processos. Isso depende tanto da equipe quanto do gestor. Afinal, o líder precisa saber como engajar todos nesse processo de mudança e instruí-los sobre os melhores caminhos para ter sucesso.

Além disso, é importante adotar métodos de gestão da equipe que sejam coerentes com essa demanda. Eles devem ser baseados na metodologia ágil, que inclui o Scrum, Kanban, entre outros.

Como implementar a Infraestrutura Ágil?

Agora que você já sabe bastante sobre a Infraestrutura Ágil, seus pilares e suas práticas, é hora de entender como implementá-la na empresa. Veja dicas para ter sucesso nessa jornada rumo à transformação!

Faça um diagnóstico da sua área

O primeiro passo para implementar qualquer mudança no seu time é fazer um diagnóstico da área. Ou seja, é importante que você entenda como o setor funciona atualmente, quais são os seus principais problemas e os gargalos que devem ser resolvidos.

Portanto, sente-se com todos os profissionais que fazem parte do time e tente identificar como anda o setor. Entenda quais são os seus pontos fortes, o que vocês já fazem bem e quais são os pontos de melhoria. Tente identificar também os principais riscos e ameaças da área e como vocês podem aproveitar melhor as oportunidades que surgirem.

Busque por ferramentas de apoio

Como você já sabe, a Infraestrutura Ágil exige a automação de processos dentro da área de TI. Dessa forma, é importante que você tenha ferramentas capazes de possibilitar essa automação.

Você precisa de ferramentas de testagem e de automação de atividades. Precisa de softwares capazes de captar dados, gerar relatórios e documentar processos. Por fim, também precisa de ferramentas de gestão de time adequadas, tanto para a comunicação interna quanto para o gerenciamento ágil de atividades.

São várias ferramentas disponíveis no mercado. Dessa forma, é importante que você entenda quais são as suas principais necessidades para escolher aquelas que se adaptem melhor à realidade da sua área.

Escolha boas metodologias de gestão

Você já sabe que as pessoas são um dos pilares da Infraestrutura Ágil. Portanto, encontrar as principais metodologias de gestão, principalmente entre aquelas que fazem parte do movimento ágil, é essencial.

Nesse aspecto, não existe regra. O importante aqui é entender como a sua equipe funciona e do que ela precisa. A partir disso, identifique metodologias adequadas de acordo com as demandas. Vale, inclusive, misturar processos de diversas metodologias, como o cronograma ágil, Scrum, Kanban, entre outros, criando algo perfeito para o seu setor.

Conscientize e alinhe os colaboradores

Além de entender quais são as metodologias de gestão de time mais adequadas, é essencial ter os profissionais engajados nas mudanças que serão realizadas. Portanto, converse com a equipe antes de qualquer implementação. Explique o conceito de Infraestrutura Ágil, quais são os benefícios que isso pode trazer e como vai ajudar no trabalho.

Além disso, peça feedbacks e opiniões sobre as mudanças que você pretende implementar. Tudo isso precisa ser feito em conjunto e o seu time é parte fundamental do processo. Portanto, traga-os para dentro da tomada de decisão e faça com que eles se engajem no processo.

Mensure tudo

Mensurar é essencial para que a Infraestrutura Ágil seja implementada. Mas o que você deve medir? Tudo!

Você precisa mensurar elementos como resultados gerados pelo time, níveis e tipos de erros, soluções encontradas, taxas de acerto, entre outros elementos. E, além de mensurar, precisa analisar esses dados de forma que eles saiam do formato bruto para se transformar em insumos para a tomada de decisão e, inclusive, para as automações que você vai realizar.

Comece por coisas pequenas

Quando você pensa na Infraestrutura Ágil como um todo e no tamanho da mudança, pode ficar assustado. Isso é um dos motivos de paralisia dos gestores que querem implementar essa metodologia. Diante do tamanho das mudanças, eles param e acabam por adiar a transformação.

Mas o que você deve ter em mente é que não é possível e nem indicado mudar tudo de uma vez. Você não deve tentar realizar todas as transformações de uma vez, inclusive, isso tem poucas chances de sucesso.

O ideal aqui é começar aos poucos, por coisas pequenas. Identifique algo que a sua empresa faça bem, que você já saiba como colocar em prática e comece por aí. Esse será o primeiro passo. Teste, cometa erros e aprenda com cada um deles. Aos poucos, a sua infraestrutura vai mudando, se adaptando cada vez mais ao modelo ágil.

Quais os desafios e cuidados na hora de implementar a Infraestrutura Ágil?

Como você já deve imaginar, implementar a Infraestrutura Ágil não é fácil e, por isso, é importante estar ciente dos principais desafios desse momento e dos cuidados que devem ser tomados diante de cada um deles.

Hierarquia

Um dos principais bloqueios da Infraestrutura Ágil é a hierarquia. Quando a empresa é muito rígida nesse aspecto, pode ser difícil colocar alguns pilares em prática.

Um dos exemplos é a automação, no que se refere ao provisionamento. Isso porque sua equipe pode saber do que precisa e fazer a solicitação para a alta gestão, entretanto, na hora da aprovação, isso precisa passar por diversos níveis da hierarquia até retornar ao time. Ou seja, a hierarquia bloqueia o workflow do seu time.

Portanto, na hora de colocar isso em prática, tome cuidado e converse com as altas hierarquias da empresa. A melhor forma de contornar o problema é mostrar, com dados concretos, como esse novo método de funcionamento pode beneficiar a empresa.

Burocracia

Quanto mais burocracia você tiver na empresa, mais difícil será realizar mudanças e, consequentemente, implementar a Infraestrutura Ágil. Isso porque, por motivos semelhantes ao problema da hierarquia, a burocracia também trava o seu workflow, assim como a autonomia do time e, até mesmo, a automação dos processos.

Identifique, portanto, a burocracia da sua empresa, entenda o motivo para ela e busque combater a raiz do problema, o que realmente está interferindo. Tente combatê-la para viabilizar a implementação da Infraestrutura Ágil.

Resistência

Por fim, um outro grande problema que você precisa combater é a resistência, seja pelos outros setores da empresa e gestores, seja por parte dos seus colaboradores.

Aqui também vale recorrer aos dados, aos resultados que essas mudanças podem trazer para a empresa. Mostre como a Infraestrutura Ágil pode impactar positivamente cada um dos setores do negócio, os seus colaboradores separadamente e as atividades diárias de cada um deles.

Com este artigo, você aprendeu mais sobre a Infraestrutura Ágil, como esse processo funciona, seus pilares e suas vantagens para a empresa. Também viu como implementá-la e superar os desafios que podem surgir nesse momento. Portanto, comece agora mesmo a colocar tudo isso em prática e se beneficie da Infraestrutura Ágil, o primeiro passo para o DevOps dentro da empresa!

Gostou do artigo? Quer ficar por dentro das nossas atualizações? Então, siga a Gaea nas redes sociais! Estamos cheios de novidades no Facebook, LinkedIn e Twitter.

consultoriaPowered by Rock Convert

Deixe um comentário