fbpx
Cultura ágil: Tudo o que você precisa saber sobre o tema

Cultura ágil: Tudo o que você precisa saber sobre o tema

São novos tempos para o setor de TI. Cada vez mais se torna essencial se adaptar aos novos cenários e, assim, conseguir implementar soluções mais eficientes, que permitam não só melhorar a produtividade, mas a própria experiência do cliente ao longo do tempo.

Uma das adoções que sua empresa de TI não pode deixar de fazer diz respeito à cultura ágil. Quando falamos desse termo, estamos indo além de uma mera adoção dos métodos agile. Com isso, sua empresa pode despontar no mercado e encantar cada vez mais clientes.

Neste conteúdo falaremos tudo que você precisa saber sobre essa cultura: sua definição, sua importância para as empresas de TI, como implementá-la em seu negócio, os desafios encontrados em sua adoção e cases de sucesso. Boa leitura!

O que é uma cultura ágil?

Como o próprio nome propõe, o conceito é uma verdadeira mudança de cultura em seu negócio, trazendo-a para um novo contexto, no qual se torna possível conseguir maior eficiência nos processos da sua empresa de TI.

Ela se propõe como um novo modelo de gestão, o qual modifica funções e responsabilidades nas organizações, dividindo-as de forma a minimizar as hierarquias existentes em modelos tradicionais.

Visa fortalecer o trabalho em equipe, mas, ao mesmo tempo, empoderar os seus colaboradores a realizarem seus trabalhos, bem como poder cobrar uns aos outros em suas rotinas, sem medo de represálias.

Ela surge por meio do “Manifesto Ágil”, criado em 2001, quando um conjunto de profissionais do setor se uniram para a criação de um documento que priorizasse esse tipo de metodologia na forma de realizar suas atividades nas empresas de TI.

Eles já adotavam metodologias que fazem parte das rotinas de muitos gestores da área, como XP, DSDM, Scrum, entre outros. O documento é uma espécie de formalização, uma aclamação aos métodos ágeis, que passam a ser adotados cada vez mais nas organizações focadas em Tecnologia da Informação.

O documento prevê os valores em seu manifesto, tais como:

  • indivíduos e interação entre os membros é mais importante do que processos e ferramentas;
  • software em funcionamento é mais importante do que ter uma documentação abrangente;
  • o cliente interagir e participar do projeto é mais importante do que negociar os contratos entre as partes;
  • conseguir responder a mudanças rapidamente é mais importante do que seguir o planejamento preestabelecido.

Além disso, o manifesto prioriza alguns pontos em seus 12 princípios, tais como:

  • entrega contínua sendo aplicada para maior satisfação do cliente;
  • ser favorável a mudanças de requisitos, mesmo que elas ocorram no final do desenvolvimento, ou seja, se adequando às mudanças;
  • o software deve ser entregue, funcionando, entre poucas semanas a poucos meses, priorizando menor escala de tempo;
  • os colaboradores, em conjunto daqueles das áreas “de negócios” devem trabalhar em conjunto, diariamente, em prol do projeto;
  • fazer com que o projeto seja realizado em um ambiente com pessoas motivadas, oferecendo o suporte necessário para esse fim;
  • as conversas pessoalmente devem ser priorizadas para conseguir transmitir informações entre as equipes;
  • a prioridade é sempre manter o software funcionando;
  • os processos ágeis devem priorizar o desenvolvimento sustentável. Com isso, é necessário conseguir promover um ambiente com ritmo constante indefinidamente;
  • a busca da excelência técnica e o bom design permite o aumento de agilidade;
  • optar pela simplicidade é fundamental, deixando a maximização da quantidade de trabalho de lado;
  • os times auto-organizáveis são fundamentais para promover uma melhor arquitetura, requisitos e design;
  • a equipe deve, regularmente, buscar formas de como se tornar mais eficaz.

Qual a importância de desenvolver uma cultura ágil na empresa?

A cultura ágil é uma mudança de mentalidade importante para a cultura das empresas, gerando uma nova forma de pensar e agir no ambiente interno, com maior modernização, agilidade e, principalmente, foco em qualidade.

Quando os métodos ágeis fazem parte do DNA da empresa, se torna mais fácil conseguir engajar seus funcionários a longo prazo, fazendo com que eles se estimulem a conseguir manter suas atividades com excelência e produtividade.

Além disso, permite-se uma maior agilidade para entrega das soluções para os clientes, sem perder, com isso, qualidade em suas atividades. Consegue-se, assim, maior satisfação do público, bem como aumentar as possibilidades de novos contratos a longo prazo.

A cultura ágil consegue se inserir no contexto da transformação digital, seguindo o mesmo ritmo da evolução tecnológica. As metodologias tradicionais não conseguem mais dar conta, com eficiência, dos processos necessários para atender às necessidades e demandas dos clientes a longo prazo.

Trata-se, assim, de uma nova necessidade estratégica, capaz de mudar o mindset dos seus colaboradores e levar a sua empresa de TI para um novo patamar. Com entregas contínuas e aceleradas, é possível criar uma sinergia com o seu cliente.

Além disso, podemos acrescentar no rol de importância para adesão à cultura ágil alguns benefícios, tais como:

  • aumento da produtividade da equipe;
  • visibilidade dos projetos;
  • adoção de um cronograma ágil;
  • motivação dos colaboradores;
  • agilidade nas entregas;
  • menor necessidade de retrabalho;
  • maior sinergia entre as equipes;
  • maior facilidade para a adesão ao DevOps, entre outros.

Como a cultura ágil funciona?

A verdade é que se torna muito difícil falar como funciona a cultura ágil de forma geral. Como cada empresa pode adotar um tipo de metodologia ágil e adaptá-la para o contexto da sua organização, é possível ter mudanças bastante significativas nas adoções, comparando caso a caso.

Porém, podemos falar em algumas características em comum que podem ser encontradas nos negócios, que podem nortear pontos fundamentais que o gerenciamento ágil deve ter. Veja as principais a seguir.

  • as equipes são colaborativas, multifuncionais e os membros estão capacitados, bem como têm todos os recursos para a realização do trabalho;
  • os colaboradores devem ser confiáveis para realizar a aplicação de processos, visando minimizar os riscos organizacionais;
  • compromisso com a entrega do software e a busca por feedbacks, a fim de promover uma cultura de melhoria contínua em seu negócio;
  • o valor agregado deve estar devidamente visível em cada atividade realizada;
  • as equipes têm autonomia para realizar negociações, tomadas de decisões e, também, resoluções de conflitos, sem a intermediação de um líder;
  • os diretores investem consideravelmente no treinamento de colaboradores;
  • há uma priorização da estratégia de transparência, em níveis estratégicos, táticos e operacionais;
  • permite-se um melhor gerenciamento focado em resolução.

Quais são as características de uma empresa com a cultura ágil?

Quando falamos em uma empresa que, de fato, incorpora a cultura ágil em seu dia a dia, torna-se perceptível a mudança de mindset interno, e ele é adotado por todos os colaboradores. Algumas características podem ser observadas, quando falamos em empresas que, de fato, conseguiram trazer essas questões internamente. Vamos falar sobre algumas delas a seguir.

Cultura orientada para crescimento

Um primeiro ponto a ser observado é que as empresas que aplicam a cultura ágil de forma eficiente têm suas ações voltadas para o crescimento do negócio — isso não significa, apenas, em valores e rentabilidade, mas também sobre conhecimento.

Ações voltadas para aprendizado

Além disso, o mindset ágil faz com que sua empresa esteja sempre orientada a melhorar os conhecimentos dos seus colaboradores, a fim de que seja possível potencializar resultados, realizar ações de forma mais eficiente e conseguir realizar entregas mais eficientes e ágeis para seus clientes, com menor índice de erros.

Por exemplo, como seus colaboradores vão adotar determinadas ações e metodologias, se eles não sabem, por exemplo, o que é Sprint, Scrum, entre outros?

Cliente no centro do processo

Esse ponto é fundamental e deve passar por todos os setores da organização, desde aqueles que, de fato, tenham contato com o projeto e o cliente a, até mesmo, os setores administrativos.

Essa é uma tendência não-exclusiva da cultura ágil, mas que é necessária e fundamental nesses casos, de forma que os resultados possam ser comprometidos a longo prazo, caso não implemente uma visão orientada para atender às expectativas do seu cliente.

Estabelecimento de metas objetivas

Os seus times precisam operar com metas e objetivos e na cultura agile não é diferente. Isso é fundamental para que eles possam se organizar devidamente, definir funções e tarefas e entender como podem se planejar ao longo do tempo.

Não fixação nas metas objetivas

Ao mesmo tempo, empresas que estão inseridas em uma cultura ágil não ficam presas nas metas estabelecidas, pois entendem que o cenário pode mudar completamente de um período para outro. Sendo assim, elas precisam ser dinâmicas e passíveis de mudanças. Sendo assim, em caso de necessidade de adaptação, a empresa consegue realizá-las sem perder investimentos e foco.

Maior transparência

Outro ponto fundamental é a transparência nos processos internos das empresas. Com isso, torna-se possível que cada colaborador tenha consciência dos objetivos propostos, os prazos estabelecidos e o que deve ser feito para que seja possível alcançá-los sem maiores problemas.

Em caso de falhas ou situações que mereçam atenção, outros membros das equipes poderão estar conscientes e, assim, conseguirem intervir de forma a minimizar prejuízos e possíveis atrasos.

Como construir uma cultura ágil na empresa?

Como percebemos ao longo deste conteúdo, adotar a cultura ágil é, de fato, realizar uma verdadeira transformação em sua empresa. Por isso, é importante saber como construir isso internamente, de forma eficiente.

Alguns passos podem auxiliar nesse processo. Veja os principais deles a seguir.

Diminua a dependência das lideranças

Em uma cultura ágil, o trabalho é muito mais descentralizado do que nos modelos tradicionais. Por isso, é fundamental ter uma política de redução da importância das lideranças no ambiente interno.

A centralização excessiva tende a gerar uma certa aversão e resistência a mudanças, além de tirar o poder decisório e autonomia dos times — algo que contraria consideravelmente os modelos ágeis.

Na metodologia agile, é fundamental que todos sejam responsáveis pelos seus atos, dando maior autonomia e gerando uma menor dependência de hierarquias. Esse processo também acelera as tomadas de decisões, já que, muitas vezes, não é necessário passar por um comando central.

Reduza o tamanho das equipes

Quanto mais pessoas envolvidas em cada time, maior a tendência em tirar o foco dos membros a longo prazo. Imagine, por exemplo, uma reunião com 15 pessoas e com 6. Qual delas tenderá a ser mais rápida e eficiente?

A comunicação entre as pessoas também é facilitada e evita-se, muitas vezes, problemas e mal-entendidos que possam complicar a situação. Além disso, podemos acrescentar que, em um local com tendências a mudanças constantes, quanto menos pessoas envolvidas, menor será a resistência — algo fundamental para os métodos agile, de forma geral.

Atribua responsabilidade para todos

Uma maior responsabilidade — e, consequentemente, maior empoderamento — é fundamental nos métodos ágeis. No caso, sempre a experiência do cliente está no centro dos processos e cada decisão tomada por cada colaborador precisa respeitar isso.

Diante disso, é fundamental conscientizar os colaboradores sobre essas questões, a fim de que possam tomar as melhores decisões para sua empresa.

Faça da liderança um apoio

Os líderes, em uma cultura ágil, não têm o papel central de dar ordens ou ser o responsável por todas as decisões. Nesse caso, ele dá todo o suporte para oferecer segurança para os times, funcionado mais como uma espécie de consultor.

Ele deve se envolver sim, mas as decisões não necessitam, obrigatoriamente, passar pelo aval dele. No caso, ele observa como o projeto está sendo realizado e, se for necessário, intervém da forma adequada.

Estimule pontes de informação entre os times

As informações precisam ser passadas entre todos os membros, estando todos cientes sobre o que está acontecendo. Como o trabalho é altamente interdependente, é fundamental que todos estejam sabendo de todos os passos e a comunicação ser realizada sem gargalos.

Por isso, é importante encontrar mecanismos que permitam um melhor fluxo de informações, minimizando interferências e permitindo que todos tenham a mesma visão do projeto.

Lembre-se, assim, que não há fórmulas mágicas para aplicar a cultura ágil, bem como também algumas peculiaridades poderão ocorrer que poderão gerar necessidade de adaptação entre os pontos que falamos acima.

O importante é entender que a aplicação precisa cumprir tanto os valores, que citamos acima neste conteúdo, quanto os princípios do manifesto agile.

Quais são os principais desafios na implementação da metodologia ágil?

A metodologia ágil, apesar de ser altamente benéfica para as organizações, pode ser um grande desafio a sua adoção nas organizações. É importante conseguir superar essas questões antes de realizar a implementação de uma cultura agile. Caso contrário, pode-se ter prejuízos e não conseguir alcançar os resultados esperados.

Veja a seguir os maiores encontrados e como superá-los em sua adoção.

Backlog com trabalho inacabado

Um dos grandes desafios das empresas que estão migrando para os métodos agile é conseguir lidar com backlogs que estejam apontando um excesso de tarefas e poucas que realmente foram finalizadas. É importante ter em mente que agilidade nos processos não significa lotar seus backlogs.

Isso ocorre, muitas vezes, pelo fato de que há diversas alterações em muitos projetos. Nesse tipo de método, é possível identificar isso e se adaptar mais facilmente ao novo cenário, bem como os colaboradores conseguem ter maior consciência sobre os processos que estão em andamento.

Pouca visibilidade sobre o progresso das tarefas

Se atualmente a sua empresa não consegue identificar em qual ponto está a tarefa, é preciso rever isso antes da implementação da cultura agile. Deve-se aprender sobre como realizar uma análise objetiva dos trabalhos antes de submetê-lo a análise e testes, bem como entregá-lo para seu cliente.

Nos métodos ágeis, ter essa observação é fundamental para que consiga acompanhar se as tarefas estão dentro dos deadlines estabelecidos, o que falta para a conclusão das tarefas e, assim, obter máximo de produtividade e evitar possíveis atrasos.

Atrasos constantes

Se há algo que é prejudicial para as empresas de TI são os atrasos constantes. Os clientes, quando solicitam um determinado projeto, têm uma determinada urgência, de forma que os atrasos podem não só prejudicar a experiência dele em relação a sua empresa, mas também causar problemas para as atividades econômicas deles.

Isso pode ocorrer, principalmente, quando há uma certa imprecisão das prioridades dos projetos, bem como ter sido traçado anteriormente um cronograma irreal, gerando uma série de problemas nos processos.

Esse tipo de problema não pode ocorrer em uma cultura ágil, já que uma das prioridades é fazer as entregas dentro dos prazos estabelecidos, bem como priorizar uma melhor experiência para o público.

Problemas na qualidade das entregas

Além dos atrasos, outro problema que não é aceito quando falamos de cultura ágil diz respeito à qualidade das entregas. Não é porque elas são mais rápidas que elas deveriam ser feitas sem o máximo de qualidade esperado do seu negócio.

Isso ocorre, muitas vezes, pelo atropelo de tarefas: uma está atrasada, o que faz com que você diminua o tempo dedicado as demais subsequentes, até que interfira em todos os projetos da empresa. Por isso, é importante ter um bom controle do que está pendente e avaliar o que é prioridade e o que pode ser deixado para depois — algo que as ferramentas ágeis permitem com facilidade.

Falta de alinhamento das equipes

Se a empresa passa por mudanças nos projetos continuamente e todos não estão cientes do que está ocorrendo, é natural que ocorra um desalinhamento inicial, que pode comprometer seriamente não só o prazo de execução, mas a qualidade do que será entregue, bem como a motivação dos seus colaboradores.

Isso ocorre, normalmente, devido a falhas e distanciamentos entre os setores de negócios, que estão mais próximos do cliente final e os desenvolvedores, não repassando as mudanças solicitadas ao longo do tempo.

Esses desafios levam, principalmente, a uma maior necessidade de retrabalho e entregas em desacordo com as expectativas do cliente. Por isso, é importante saber identificar de que forma esses pontos estão ocorrendo em sua empresa, para saber como contorná-los ao longo do tempo e, assim, conseguir implementar, de fato, uma cultura ágil, sem gargalos, falhas e problemas que comprometam sua adesão de forma eficiente.

Quais são os cases de sucesso de culturas ágeis?

Diversas empresas, atualmente, trabalham com as culturas ágeis em suas rotinas internas, conseguindo excelentes resultados. É o caso, por exemplo, do Spotify. Inicialmente a empresa adotou, logo após sua fundação, o Scrum, um dos métodos ágeis mais populares e aplicados atualmente.

Porém, diante do crescimento da plataforma e as peculiaridades da empresa, foi percebido que era necessário realizar adaptações. Com isso, criou uma versão própria do framework, conseguindo sanar sua questão. Conseguiu obter sucesso com essa mudança e, assim, nomeou o novo método como Agile Coach.

Outra empresa que teve sucesso com a implementação de uma cultura ágil foi a LEGO, importante empresa fabricante de brinquedos para crianças. Ela passou a adotar o Scaled Agile Framework (SAFe) em 2015. Começou com uma adoção lenta — das 20 equipes iniciais, apenas 5 passaram a se tornar em times Scrum auto-organizados. De acordo com o que forma lidando com a situação, os 15 restantes passaram a se adaptar também.

Ainda assim, enfrentaram dificuldades para conseguir uma cooperação conjunta que fosse, de fato, eficaz. Com isso, continuou adotando o padrão SAFe e adicionou outro nível de abstração — o nível de programa. Também adotaram outras medidas que trouxeram resultados significativos, tais como:

  • fim das planilhas de gerenciamento e excesso de documentação;
  • maior precisão das estimativas realizadas pelos desenvolvedores;
  • incentivo a uma comunicação cara-a-cara;
  • adoção de um planejamento visual diferenciado, inspirado em gamificação, auxiliando a tornar os processos mais fáceis de serem resolvidos.

Até mesmo instituições mais tradicionais, como o Banco Nacional do Canadá passou adotar métodos ágeis. No caso, foi o Scrum clássico, a partir de 2012. Foi preciso, claro, adotar algumas mudanças e adaptações para que fosse possível conciliar tanto as ferramentas agile quanto exigências de conformidade do setor financeiro.

Adotar a cultura ágil em seu negócio pode ser um grande diferencial para evitar burocracias e gargalos que podem estar comprometendo consideravelmente o seu negócio de prosperar a longo prazo.

Com esse guia completo, você consegue identificar o que é esse termo, de que forma ele tem influenciado consideravelmente as empresas, principalmente no setor de TI e como aplicá-lo de forma eficiente. Quando for necessário, releia-o, tire suas dúvidas e coloque seu negócio a frente dos demais concorrentes.

Gostou do conteúdo? Então, compartilhe-o em suas redes sociais e leve-o para sua rede de amigos e colegas de área.

ContatoPowered by Rock Convert

Deixe um comentário