DevOps e Mainframe: para os mais tradicionalistas, a junção dos dois pode soar um tanto quanto estranha, não é mesmo? Ou, até mesmo, não fazer nenhum sentido. Porém, engana-se quem acha que um não possa auxiliar no outro.

Há diversos motivos para integrar Mainframes em fluxos de trabalho DevOps, bem como o segundo também pode auxiliar em melhores resultados em organizações as quais trabalhem com esse modelo de computação, facilitando a ponte dele com outras infraestruturas.

Porém, para entender isso, é necessário compreender essencialmente o que é Mainframe, o que é DevOps, como elas se relacionam e entender como é vantajoso para as organizações que migram para um fluxo de trabalho baseado em DevOps pode fazer parte dos Mainframes.

O que é Mainframe?

Mais especificamente, o Mainframe é um computador de grande porte, cuja função principal é o processamento de um alto volume de dados. Os Mainframes são capazes de realizar funções para milhares de usuários, por meio de milhares de terminais disponibilizados em rede.

Apesar de tenderem a ser substituídos pelos servidores de arquitetura PC e Unix, devido ao seu baixo custo, o Mainframe ainda é bastante utilizado pelas organizações, principalmente as grandes empresas.

Como funciona o Mainframe?

Um ponto fundamental para entender como funciona o Mainframe é compreender que ele funciona como várias máquinas virtuais, como uma forma de conseguir processar um grande volume de informações. Ele é dimensionado para aplicações que exijam grandes recursos, com processadores versáteis, o que permite a sua troca sem precisar desligar o Mainframe. O mesmo ocorre com seus drives.

O Mainframe, diferentemente dos servidores tradicionais, possui sistemas operacionais próprios, como o OS/390, VM/ESA, MVS, VSA/ESA, entre outros. Além disso, os Mainframes são capazes de operar esses múltiplos SO simultaneamente, algo que os servidores tradicionais não conseguem realizar.

O Mainframe consegue executar múltiplos sistemas operacionais ao mesmo tempo, operando com um alto número de máquinas virtuais. Assim, um Mainframe é capaz de cumprir o papel de centenas de servidores menores, com apenas uma máquina física. Assim, em outras palavras, é um supercomputador de alto processamento.

Por isso, mesmo com o uso dos servidores web, na nuvem, entre outras opções de plataformas, o Mainframe continua sendo uma solução bastante adotada pelas principais organizações. Ele não pode ser negligenciado. Isso se porque a tendência é que ele continue sendo uma das principais opções para quem necessita de alto processamento de dados pela próxima década (ou, até mesmo, mais).

Assim, a substituição completa ainda não faz sentido, nem tornar o Mainframe como uma espécie de “modo de manutenção”, delegando as demais plataformas para a entrega contínua e não inserindo este modelo no cenário de metodologias ágeis. Enquanto esse modelo não for totalmente superado, é necessário sim que seu negócio continue investindo no Mainframe em suas organizações, para que não perca velocidade de processamento e qualidade nesse quesito.

Qual a relação entre DevOps e Mainframe?

Para compreender essa relação, é fundamental compreender também, essencialmente, o que é o DevOps. Ele é o resultado da quebra de barreira entre os Desenvolvedores (“Dev”) e os responsáveis pelas Operações de TI (“Ops”). Com isso quebra-se a falta de comunicação entre esses dois setores, responsável por boa parte da falta de eficiência e dos atrasos que ocorrem em uma empresa de TI, devido à falta de sincronia entre os times.

Um dos seus princípios é a “entrega contínua”, de forma que a solução é planejada, escrita, testada e implementada para o usuário final em uma base praticamente contínua, sem atrasos no pipeline. Esse ponto é fundamental para conseguir uma série de benefícios tais como:

  • facilita o trabalho dos administradores;
  • favorece o trabalho dos desenvolvedores;
  • fornece atualizações constantes para a solução;
  • gera aprimoramento do aplicativo constantemente;
  • agiliza o processo de aprimoramento dos aplicativos;
  • reduz o tempo de retorno sobre o investimento para as organizações.

Logo, o foco do DevOps é a agilidade sem perder eficiência, permitindo dimensionar aplicativos e alternar facilmente entre estruturas de programação, sem maiores problemas.

A princípio, a relação entre DevOps e Mainframe pode não ficar muito clara. Isso porque, até o presente momento, essa metodologia ficou bastante presa a novas linguagens e tecnologias de programação, bem como containers, servidores de integração contínua, entre outras ferramentas modernas.

Porém, isso não significa que ele não possa ser relacionado com Mainframes, que está mais ligado a uma arquitetura tradicional. Principalmente pelo fato de eles ainda serem fundamentais para algumas soluções e softwares criados.

Os Mainframes ainda são bastante utilizados por serem um bom local para processar grandes pacotes de informações de forma escalonável e segura, que pode auxiliar para o aumento da eficiência e agilidade dos processos internos. E é aí que acontece a relação com DevOps: quando combinados, podem atuar de forma a otimizar consideravelmente o tempo de produção de um aplicativo.

Por não ser uma relação tão óbvia, ela não é tão explorada quanto deveria pelas organizações e, por isso, torna-se uma brecha importante para as organizações que desejam se despontar no mercado, principalmente colocando a agilidade como um importante diferencial competitivo.

Algumas empresas optam prioritariamente, por plataformas distribuídas, da Web, móveis e na nuvem, devido a sua modernização, entre outros benefícios inerentes de cada uma das plataformas. Porém, para muitas, o Mainframe é uma necessidade para o processamento de dados, principalmente para as gigantes do mercado ou para aquelas que, pela natureza do negócio, precisam trabalhar com alto volume de informações.

Na verdade, para muitas empresas grandes, até mesmo o desenvolvimento de serviços móveis, da Web e na nuvem dependem de um Mainframe que funcione como um servidor de back-end.

Isso ocorre por duas razões:

  • as aplicações de Mainframe tendem a ser os sistemas mais cruciais e altamente complexos das empresas de grande porte. A lógica de seu uso foi aprimorada por anos para que pudesse atender aos requisitos mais complexos de processos do core business da organização. Assim, qualquer solução que estenda um processo crítico ou que gere a execução de uma transação tende a ter uma interface com código de Mainframe;
  • os Mainframes tendem a hospedar informações mais completas e atualizadas das organizações. Isso ocorre pelo aperfeiçoamento realizado ao longo das décadas em que Mainframe era uma das principais alternativas e, por isso, ainda ocupa um lugar de destaque no processamento de dados.

Além dessas duas razões, a confiabilidade, segurança e escalabilidade tornam o Mainframe atrativo. Por isso ele ainda é uma opção bastante utilizada pelas organizações. Além disso, por ser benéfico, é essencial saber como melhorá-lo para os novos tempos do TI.

Se os Mainframes não forem ágeis, não se pode dizer que a empresa trabalha com metodologias ágeis. Por isso, é fundamental implementar soluções DevOps dedicadas para Mainframe para que seja, de fato, uma transformação completa.

Por que escolher soluções DevOps para Mainframe?

O DevOps é o futuro do TI. Cada vez essa metodologia se torna mais utilizada nas organizações por um motivo fundamental: ela funciona.

Os resultados obtidos pela união dos departamentos de desenvolvimento e operações, bem como a diminuição da necessidade de refação têm se tornado bastante atrativo para os gestores da área, que veem nisso uma possibilidade de, por meio de uma série de ferramentas de automação, bem com a implementação da entrega contínua, conseguir deixar os clientes mais encantados e satisfeitos.

Alguns dos benefícios do DevOps, segundo pesquisa do Rackspace, que podem demonstrar a importância de implementá-lo em conjunto com o Mainframe são:

  • 57% de aumento nos índices de satisfação do cliente, podendo significar fidelização ou indicação para novos clientes;
  • 57% de diminuição de gastos realizados com TI;
  • 49% de redução de falhas de indisponibilidade da aplicação;
  • 46% de aumento do engajamento do cliente com a aplicação;
  • 46% no aumento de vendas de soluções para clientes;
  • 32% de aumento no engajamento dos funcionários em suas atividades cotidianas.

Como muitas organizações, devido ao seu porte e volume de informações com os quais lidam no seu dia a dia, dependem do Mainframe, é essencial conseguir então melhorar suas potencialidades.

Quais os desafios de utilizar DevOps em Mainframe?

A mudança para um modelo de DevOps em organizações de Mainframe é um grande desafio porque, nesse modelo, os recursos é que são priorizados, e não a fase de desenvolvimento e testes. Há consideráveis diferenças estruturais quando são utilizados Mainframes, em comparação a outros sistemas.

Além disso, o fluxo de trabalho que o Mainframe proporciona é diferente, fazendo com que a mudança represente um grande salto para a organização. As empresas que já estão há anos trabalhando com esse modelo mais tradicional encontrarão maior dificuldades na transformação do que as startups que já começam dentro de uma metodologia DevOps.

Porém, um dos principais desafios está na mudança da cultura da empresa, um dos pontos mais complexos quando falamos de DevOps e que pode ser contornado quando a gestão realiza um trabalho de preparação para a implementação de novas tecnologias. Por isso é fundamental todo um planejamento específico para a adesão de DevOps em um ambiente Mainframe, de forma que os colaboradores estejam cientes das mudanças a serem realizadas e sejam devidamente treinados para este fim.

Os desafios são muitos, porém, podem ser superados caso sejam utilizadas as ferramentas corretas para essa mudança, de forma a conectar os Mainframes perfeitamente com a infraestrutura de toda a organização. Ferramentas específicas podem auxiliar a aliviar as barreiras entre os Mainframes e outras infraestruturas da empresa. Isso permite que os fluxos de trabalho possam ser feitos independentemente de plataforma e de linguagem.

Porém, lembre-se: a adesão dessas novas ferramentas poderá ser inútil caso todos os colaboradores envolvidos não estejam devidamente comprometidos com a tarefa de modernizar a estrutura da organização e se adequando a essa nova situação. Caso contrário, será realizado novos procedimentos com mentalidade antiga, o que poderá comprometer os resultados do seu negócio.

Desta forma, o comprometimento com o processo de transformação é o primeiro e mais fundamental passo para conseguir melhores resultados.

Como o uso de DevOps aliado ao Mainframe pode trazer ótimos resultados?

Por isso o DevOps surge como uma oportunidade de modernizar o ambiente, utilizando ferramentas mais atuais, conseguindo maior eficiência em longo prazo. Além disso, pode-se assim também conseguir um maior retorno sobre o investimento (ROI), de forma que sua organização consiga reaver os valores investidos para o processo de transformação rapidamente.

E os ganhos não são apenas financeiros. A agilidade promovida pela integração de DevOps e Mainframe, em consonância com a sua eficiência também garante uma imagem mais sólida e positiva perante seu público. Outro benefício é que as ferramentas modernas implementadas pelo DevOps podem eliminar possíveis gargalos encontrados em um modelo de Mainframe, que possam estar prejudicando a produtividade do seu negócio.

Como o Mainframe está intimamente ligado com modelos tradicionais, há questões inerentes a esse tipo de formação que encontram barreiras nos tempos atuais. Por exemplo, uma separação estanque entre a área de Desenvolvimento e Operações pode representar uma perda produtiva muito alta, além de gerar falhas significativas causadas pelos problemas de comunicação entre os membros.

Assim, a aplicação dessa metodologia permite garantir a qualidade e integridade dos processos internos e conseguir um melhor gerenciamento de custo do Mainframe. Com isso, seu negócio consegue melhorar os gastos internos e ter uma maior eficiência financeira na elaboração de soluções do seu negócio.

Outro ponto é que o DevOps aplicado em um ambiente de Mainframe permite aumentar o trabalho colaborativo, já que é necessária uma maior interação entre os membros das equipes de desenvolvimento e operações, tirando o foco exclusivamente da parte de infraestrutura. Outra vantagem é que se torna possível conseguir agilidade na TI sem, necessariamente, interromper os processos essenciais para a execução dos negócios.

Muitas soluções, softwares e aplicativos dependem de Mainframes e, por isso, essa estrutura necessita ser mantida, mesmo com o uso de metodologias mais inovadoras. Por isso é fundamental contar com a eficiência que o DevOps oferece para tornar os mainframes parte do fluxo de trabalho do DevOps.

Resumindo boa parte do que falamos anteriormente, temos como benefícios de investir em uma integração de cadeia de ferramentas DevOps com Mainframe:

  • aumento da competitividade no mercado digital;
  • maior inserção no contexto atual, que privilegia as organizações que focam no cliente;
  • redução de custos operacionais;
  • melhoria da colaboração entre os membros das organizações por meio das disciplinas de TI;
  • evitam-se riscos regulatórios e operacionais que estão envolvidos com os erros comuns de Mainframe;
  • aumenta-se consideravelmente o Retorno Sobre o Investimento (ROI) sobre os vultuosos investimentos em Mainframe.

Por fim, tudo que falamos anteriormente resulta em um maior sucesso da sua organização, seja diante de uma melhora da produtividade e eficiência, seja melhorando sua imagem perante seu público, melhorando custo-benefício de suas operações, entre outros pontos que abordamos ao longo deste artigo. Ou seja, se você deseja se despontar no mercado de TI, é necessário começar a adotar metodologias ágeis, e o DevOps é uma das principais encontradas atualmente para este fim.

Lembre-se que, por muitos anos, as organizações relegaram o Mainframe a uma posição negligente. Porém, isso rendeu uma série de perdas de potencial que poderiam ter sido melhor explorados. Com a ascensão do DevOps, torna-se possível retornar o uso desse modelo com eficiência, praticidade e conseguindo bons resultados para sua organização.

Como uma empresa especializada pode ajudar nessa relação?

Para realizar o processo de relação entre Mainframe e DevOps, é fundamental contar com os seguintes pontos:

  • ferramentas que sejam multiplataformas e que ofereçam suporte ao mainframe — podem ser bastante úteis para, por exemplo, automação de release ou para gerenciamento de qualidade;
  • ferramentas específicas de Mainframe que se integram à metodologia DevOps — evitam a necessidade de migração de diversos módulos de código fonte e aplicações de Mainframe para outras plataformas na rede.

Há três áreas de TI em que essas ferramentas trabalham melhor: gerenciamento de código fonte, construção da automação e automação da implementação. As ferramentas de DevOps de Mainframe devem prezar por serem intuitivas e gráficas, na mesma medida em que as ferramentas que não são dedicadas a esse modelo são.

Isso envolve um longo processo de adaptação e implementação de novas soluções, bem como mudanças significativas na cultura da empresa, como falamos ao longo de todo o texto. E sabemos que esse processo de mudança pode ser bastante delicado para a organização como um todo. Afinal, falhas ou transformações inadequadas podem gerar problemas em longo prazo. Pense, por exemplo, se a mudança da cultura interna da empresa não for bem implementada, o que poderia acontecer?

Ou, ainda, pense no investimento necessário para começar o processo de implementação de ferramentas e verificar, no processo de mensuração, que os resultados estão bem aquém do esperado, de forma que será necessário reinvestir ou, então, realizar adaptações para conseguir fazer com que os resultados melhorem para conseguir alcançar os resultados desejados.

Isso ocorre, principalmente, porque quem realiza o processo de adaptação não tem conhecimento específico na migração para um ambiente DevOps e, por isso, pode realizar uma série de falhas no processo. Com isso sua empresa pode perder dinheiro, tempo ou, ainda por cima, demorar para encontrar a falha e, com isso, ter prejuízos em longo prazo.

Também é preciso entender os seus principais colaboradores, como eles trabalham, quais as suas necessidades, no que precisam modificar suas ações, como devem se modernizar, quais suas demandas atuais e o perfil de cada um deles.

Monitorar isso de dentro pode ser um processo não só trabalhoso e custoso, mas também falho. Afinal, como ter objetividade quando se está inserido dentro do processo? Agentes externos possuem um olhar mais crítico e que poderá ser mais preciso para identificar esses pontos.

Por isso é fundamental contar com o apoio de especialistas que entendam tanto de DevOps quanto de Mainframe e que saiba implementar as ferramentas certas, caso a caso, de acordo com as peculiaridades de cada negócio.

Não necessariamente algo que tenha sido realmente vantajoso para uma organização é, também para a sua. Cada uma possui um core business diferente, uma forma de trabalhar diferente, urgências e estruturas próprias e, por isso, deve ser estudado situação a situação o que realmente deverá ser feito.

Porém, para isso, é fundamental que a empresa escolhida seja a certa para realizar o processo de adaptação. Ela deve cumprir alguns requisitos, tais como:

  • ter um time de especialistas na área de DevOps;
  • ter um time de especialistas em Mainframe;
  • suas equipes devem se atualizar constantemente sobre as novas ferramentas do mercado que podem auxiliar a gerar a relação entre esses dois pontos;
  • deve ser confiável;
  • deve ter tempo de experiência no mercado;
  • deve prestar todo o apoio necessário em todas as fases da implementação;
  • ela deve também realizar a análise de cultura organizacional, para verificar o que deve ser feito para inserir os seus colaboradores no novo contexto;
  • para realizar o ponto anterior, os consultores devem realizar rodas de conversa com os colaboradores, entendendo o contexto atual e oferecendo o treinamento e consultoria necessários para adequar seus times aos novos tempos;
  • ela deve realizar análises periódicas na fase inicial para verificar se as medidas implementadas estão sendo, de fato, bem-sucedidas;
  • ela deve prestar todo o suporte em caso de dúvidas e problemas, se oferecendo para resolver as questões apontadas pelos seus gestores.

Empresas que ofereçam a transição para DevOps para as organizações que dependam de Mainframe podem existir várias. Mas é preciso que a sua escolhida seja aquela que oferecer o melhor suporte, as melhores soluções e que tenha o know how necessário para proporcionar uma migração de qualidade para seu negócio.

Para isso, conte com a Gaea. Temos como missão transformar o TI das grandes companhias, trazendo maior fluidez de processos, por meio da otimização dos trabalhos da área de Desenvolvimento e Operações de TI, com tecnologias cada vez mais modernas.

A ideia é auxiliar os colaboradores do setor de TI a terem uma maior receita por meio do TI, com processos mais eficientes e maior velocidade nas entregas. Os resultados, por meio disso, são visíveis e podem revolucionar seu negócio.

Ficou interessado em realizar a migração para um contexto DevOps em seu negócio, optando ainda pelo Mainframe? Então entre em contato e converse com um de nossos consultores, tirando suas dúvidas sobre este tema!